Mini guia para o investidor novato - Parte 1

Mini guia para o investidor novato – Parte 1

Mini guia para o investidor novato – Parte 1

Bem vindo, amigo leitor. Se você veio parar aqui, logo num blog onde a ordem do dia é falar sobre educação financeira, considere que existe um sentimento aí dentro de você, um sensor que reconhece a importância dos investimentos e os seus benefícios, seja no presente, seja no porvir.

É possível que você até venha comentando em seu círculo mais chegado de amigos que já passou da hora de tirar o escorpião do bolso e levar mais a sério o futuro que, se Deus permitir, irá chegar.

Teus dias estão contados, mané

Mas e quando finalmente o dia ruim chegar para este inquilino ranzinza, você já sabe quais passos deverá seguir para obter ativos para chamá-los de seus?

O primeiro passo será abrir uma conta em uma corretora de valores. Estas instituições operam com a compra, venda e distribuição de títulos e valores mobiliários, ou seja, fazem a intermediação dos investidores com a Bolsa de Valores oficial do Brasil (conhecida como B3), empresa resultante da fusão entre a BM&FBovespa e Cetip. Se você optar por uma corretora independente, terá que transferir seus recursos para esta conta todas as vezes que quiser realizar aplicações. Com o dinheiro nela, caberá a você destiná-lo aos ativos de sua preferência.

Mas há um porém aqui, antes de prosseguirmos falando sobre as corretoras. Não ter os recursos à mão no momento em que se abre sua conta é o mesmo que queimar a largada numa prova onde muita coisa está em jogo – o que nos leva a compreensão de que a vida de um investidor só terá início a partir da formação de um colchão de liquidez, ou seja, uma reserva de emergência e/ou de oportunidade que deve estar à mão sempre que for necessário.

Não é bem deste colchão que estamos falando

Pelo menos três questões devem ser levadas em conta na hora de formar esta reserva: baixo risco, uma vez que você não pode perder este montante; liquidez, já que poderá requerê-lo a qualquer momento e de forma imediata; e custo reduzido nas operações que envolvem a formação deste fundo. No post que dá sequência a este, estes pontos serão abordados com mais detalhes para que o leitor obtenha melhor compreensão.

Adquira um colchão confortável 

Vamos falar um pouquinho da “densidade” do seu colchão. Quanto dinheiro será necessário acumular para garantir que a sua reserva seja consistente o suficiente para lhe dar uma boa noite de sono?

Há um consenso de que o cálculo deve ser feito com base em sua despesa média mensal, multiplicada entre 6 a 8 vezes. Opa, mas peraí. Será que é isso mesmo que você ouviu? Eu me lembro da primeira vez que topei com esta informação, conferi pelo menos umas três vezes o número multiplicado para ver se era isso mesmo.

Logo constatei que seria impossível guardar tanto dinheiro assim. Como a maioria das pessoas, estava seguindo o script padrão de 90% dos brasileiros que não conseguem poupar nenhum centavo para objetivos de longo prazo, como é o caso da aposentadoria.

Na verdade, minha reação estava alinhada com uma resposta cultural automática, que praticamente não me permite pensar “fora da caixa” em termos financeiros. Se realmente tomasse a decisão de poupar, teria que tomar impulso e me esforçar para transpor barreiras, alimentado pelo desejo de se organizar para avançar contra o que a maioria considera normal – viver sempre com o laço no pescoço. 

Meu colchão realmente não tá aquela coisa, Rex

Este montante deverá ser suficiente para acolher uma doença na família, pagamento de uma franquia não planejada, uma demissão inesperada e também para eventuais oportunidades de mercado, que é o caso da reserva de oportunidade.

O Leandro tem um vídeo muito didático falando sobre isso, onde distingue a função de cada uma destas reservas (incluindo a reserva de valor). Vale a pena conferir para trazer mais luz sobre o assunto.

Por onde começo?

Aproxime uma lente naquilo que você anda fazendo quando seu salário cai na conta. É possível que você ainda não tenha bem claro o quanto gasta todos os meses para manter suas contas em dia, e isso acaba atrasando os planos para formação de sua reserva. 

Se os seus olhos não estiverem bem atentos ao destino do seu dinheiro, despesas não contabilizadas poderão dar motivos para gastos desnecessários, cujo recurso poderia ser destinado para acelerar a formação do seu patrimônio. Mas não apenas isso.

Despesas mal planejadas ou compras mal feitas, como aquisições feitas por impulso e sem planejamento, seja um sofá pra sala que podia esperar até o próximo ano ou mesmo aquele carro que você tanto queria trocar – poderiam ter esperado pelo melhor momento – mas acabaram dentro da sua casa, junto com o talão de juros.  

Dinheiro na mão é vendaval, e o ditado é bem brasileiro

Uma solução aceita seria ganhar mais para acelerar o processo e começar logo a investir. Certo? Nem sempre: por vezes a solução começa com uma correção da rota, identificando os hábitos que minam a organização de suas contas e substituí-los por aqueles que farão com que sobre mais grana pra você no final do mês.

Sacrifícios serão necessários. Afinal, abrir mão de algo que lhe gratifica agora para obtenção de um benefício futuro não lhe parece algo muito justo. 

Se vencer a tentação, vai conseguir economizar

Quatro deliverys de 1 pizza gigante por mês na região onde vivo (SC), somam por volta de R$180,00. Parece pouco, mas reduza para 2 deliverys mensais e vai ter uma economia anual de R$1.080,00!

Então a primeira coisa a ser feita, sem procrastinar, é colocar suas despesas na ponta do lápis a fim de descobrir a qual velocidade sua reserva será levantada, sem se esquecer de revisar periodicamente cada gasto e adequá-los se possível para uma condição onde deles será possível assegurar algum tipo de vantagem ou desconto.  

Segura tua onda aí, Snoopy

Você quer uma mãozinha?

Nos módulos iniciais do curso 500 Pratas 1.0, o Leandro fala a respeito da organização das finanças pessoais e do gasto inteligente.

Dentre os vários aspectos abordados, ele deixa à disposição de seus alunos uma planilha de despesas muito prática, capaz de não apenas de botar ordem na casa, mas apresentar graficamente a evolução do seu patrimônio conforme os meses forem passando. Os campos são todos editáveis, de modo que você poderá renomear as categorias de gastos conforme sua necessidade.

Vai de brinde pra começar bem

Para baixá-la, basta clicar aqui, mas não se esqueça de salvar uma cópia (Arquivo>Fazer uma Cópia) para que ela fique pra você. Caso você tenha alguma dúvida, deixe seu comentário neste artigo que eu lhe darei auxílio no que for necessário.

Leve a sério a sugestão e vai descobrir o quanto a sabotagem nos é inata no esforço de atender aos nossos caprichos imediatos, e como vamos deixando pra depois o que realmente importa. Lute contra isso. 

A partir de agora tô de olho em vocês todas 

Dado este passo, podemos falar a respeito das corretoras e as melhores opções de ativos para investir sua reserva de emergência/oportunidade, assunto que trataremos no próximo post!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.