À Espera de Um Milagre

À Espera de Um Milagre

26 de outubro de 2019
Fala investidor! Saimon Rijo falando.

Muito se fala sobre o poder que a ganância exerce sobre os participantes do mercado financeiro e é impossível negarmos esta influência. Mas muitos se esquecem de uma outra arma mental existente em nossas decisões: a esperança.

Você já deve ter percebido, mas muitas vezes, nós ficamos presos em alguns ativos que perderam fundamentos ou então empresas que perderam espaço para concorrentes do mesmo setor e com isso o “Sr. Mercado” bate no seu valor. Mesmo que todas as informações disponíveis ao seu redor indiquem que o mais sensato seria começar a abandonar a posição financeira nesse ativo e então partir para outro tendo este recurso como custo de oportunidade, mas não, lá está aquela que é sempre a última que morre, a esperança.

A esperança é “bicho brabo”, muitas vezes pior que as sereias, que te tira a razão e faz com que somente a emoção comande suas atitudes. E não pense que são somente investidores amadores que se deixam atrair pelos encantos desta moçoila, muitos profissionais acabam escorregando e acreditando nas promessas dela.

A esperança é aquele sentimento que faz com que você não desmonte uma posição no momento em que sua estratégia mandou. É aquele sentimento que faz com que você entre em uma canoa furada, já antevendo o desfecho, por acreditar que “desta vez será diferente!”.

É ela, de mãos dadas com sua amiga ganância, que faz com que muitos investidores abandonem o mercado de ações em seus primeiros anos de aplicação.

A ganância é aquela que te faz segurar uma posição vencedora por mais tempo que o necessário, mas é a esperança que faz com que você não saia desta mesma posição vencedora, no momento em que a maré vira, por acreditar que logo mais tudo voltará ao “normal” ou ao menos àquilo que você considera como sendo.

É a esperança que faz com que esta posição vencedora possa vir a se tornar perdedora.

 

Ciclos e Milagres

Exemplos recente são as empresas de commodities. Quem não comprou Petro, Vale, Usiminas, Gerdau, entre outras, no final do último ciclo de alta da bolsa, que atire a primeira pedra!? Lembro-me bem de como foi aquela euforia, onde Petrobras estava cotada próximo dos 50,00 e com lucro líquido em torno dos 30 bilhões. Depois vimos o desastre em rede nacional acontecer.

Fonte: Oceans14

Usiminas foi um caso à parte, pois junto com a ciclicidade do minério e do aço, teve problema de governança, briga entre controladores, dívida altíssima, chegou a ser negociada por volta dos 105,00. Receitas, lucros, eram altíssimos! Próximos dos 2 bilhões.

Fonte: Google

Fonte: Oceans14

 

Por que citei esses dois casos? Poderia ter citado outros, mas conheci pessoas que compraram neste topo histórico onde essas empresas tiveram lucros jamais visto e muitos só foram se desfazer de suas posições por volta de 2014/15 quando as mesmas já sofriam desvalorização de 80% ou mais. Também conheci outras pessoas que seguraram e ainda seguram suas posições esperando que o mercado precifique novamente naqueles patamares. Um erro grotesco da falta de uma estratégia para poder carregar esses ativos. Estão esperando o milagre e não estudando os fundamentos.

Em 2008 comprei Petro, mas não tive o “estomago” para segurar e muito menos uma estratégia bem definida para poder manter o ativo até os dias de hoje (incrível como a mentalidade muda e com outra visão comecei a comprar Petro em 2015 no fundo histórico). Usiminas também, mas logo em seguida que ela se desvalorizou mais de 50% comecei a comprar, estava no início da minha jornada com foco a entender análise fundamentalista, achava que era assimétrico, mas logo veio as brigas do controlador e na minha leitura deste cenário eles não estavam alinhados com os acionistas minoritários. Pulei do barco.

Logo em seguida vimos o que aconteceu, as ações chegaram a ser negociadas abaixo de 1,00!!! Desde então aprendi o que é “custo de oportunidade”.

Mais recentemente vieram outros casos como Eternit e Multiplus. Uma por perda de fundamentos e outra por questão de OPA (fechamento de capital). Não pensei duas vezes e fui desmanchando a posição gradativamente. Este caso da Eternit já foi citado neste artigo (clique aqui).

Outro exemplo recente é o caso da Oi. Muitos acreditam que ela irá voltar a ser o que era, mas o problema de governança é muito sério. Enquanto outras empresas estão carregando o índice para topos históricos, esta já tende a anunciar um agrupamento e logo em seguida continuar a desvalorização, mas muitos estão de mãos dadas com quem? A esperança.

 

Contando com a sorte

Quem deu ouvidos à esperança, que se agarrou à posição, que não saiu nos primeiros sinais de problema, que ficou esperando … esperando … até o momento em que a “recuperação” veio, o que fará em situação futura e semelhante? Muito provavelmente a mesma coisa! Verá a água entrando no navio, até o momento que chegar no teto e impedir que ele continue a respirar.

Não posso negar que uma dose de esperança é mais do que necessária para suportarmos certas situações criadas pelo mercado, mas ela só deve ser ouvida até o momento em que o lado técnico da coisa permite. Depois disso é dar adeus e partir para a próxima e é isso que separa os que estudam continuamente, que terão longa vida no mercado, dos que saem xingando aos quatro ventos as armadilhas que o Sr Mercado prepara para quem é “pequeno”.

O mercado financeiro é mais do que muita técnica e teoria aplicada, é um estudo emocional e psicológico. Os vencedores serão aqueles que encontrarem o equilíbrio entre estes dois “lados” do negócio. Infelizmente muita gente que entra hoje, irá pagar o topo e criará esperança na próxima queda. A mesma esperança que irá fazer este investidor acreditar em milagres como os de empresas em recuperação judicial voltarem aos seus tempos de gloria.

Pense a respeito. Reflita. Tente encontrar momentos em que cedeu a esta sensação. Tente lembrar de fatos em que por pouco você conseguiu escapar dela. Este exercício será gratificante e renderá frutos nos muitos anos que ainda estão por vir em seus investimentos em bolsa, domine as emoções, fuja da esperança, tenha estratégia e seja cético. Milagres não acontecem na bolsa, tudo tem um porquê!

 

“Só há duas maneiras de viver a vida: a primeira é vivê-la como se os milagres não existissem. A segunda é vivê-la como se tudo fosse milagre. ” – Albert Einstein

 

Saimon_Rijo

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.