Entendendo a subscrição

Entendendo a subscrição

15 de outubro de 2019

Subscrição

No mercado acionário existem vários bônus aos acionistas. Esses benefícios são uma forma de gratificar quem possui ações de determinada empresa, de quem acompanha seu crescimento, os chamados investidores Buy And Hold (investidores de longo prazo), aqueles que realmente compram ações com a intenção de se tornar sócio. Os bônus são:  Bonificação de ações, dividendos, juros sobre capital próprio e subscrição.

Hoje iremos falar da subscrição e deixar claro para você, leitor 500 Pratas, todos os pontos relativos a este assunto.

 

O que é subscrição?

A subscrição é um aumento de capital aprovado por uma empresa onde são emitidas novas ações para a obtenção de recursos com objetivo de financiar seus projetos e/ou pagamento de dívidas. Neste tipo de captação, os acionistas da empresa têm preferência para a compra das novas ações. A vantagem é que essas ações geralmente são ofertadas abaixo do preço de mercado. A proporção, preço e prazos variam de acordo com a necessidade de cada empresa e são divulgados ao mercado através de um prospecto de emissão.

 

Para que é feito a subscrição?

As empresas sempre estão à procura de novas oportunidades no mercado, onde precisam fazer uma aquisição ou expandir um determinado setor da companhia de forma a acelerar o crescimento e melhorar a competitividade entre os concorrentes. Para isso existe três formas de a empresa obter recursos, que são:

Contrair dívida: Esta dívida pode ser contraída através de empréstimos junto as instituições financeiras. Outra forma de se contrair essa dívida, é através da emissão de debêntures, onde a empresa emite títulos para a captação de recursos no mercado.  Esses títulos também costumam ter um prazo alongado.

Utilizar o caixa: Esta seria a forma mais fácil, mas não a mais eficaz, pois sabemos que uma empresa tem fluxo de caixa e com isso não pode deixar que seu caixa vá a patamares próximo de zero. Se isso ocorrer poderá levar a um descontrole na saúde financeira desta empresa.

Subscrição: É hoje visto como a melhor opção. Nesse processo a companhia decide através de assembléia o aumento de capital através da emissão de novas ações. Este movimento traz um grande benefício aos acionistas da empresa, porque permite o aumento de sua participação na companhia adquirindo novas ações com um preço abaixo do negociado no mercado e com uma expectativa de melhora e crescimento.

Quem pode subscrever?

Qualquer um que possua ações de uma companhia pode participar das subscrições propostas pela empresa e aprovada em assembléia, porém deve-se observar o percentual de direitos a subscrever.

Vamos supor que uma empresa vá realizar um processo de subscrição e que hoje ela possua 100 ações. Supondo que o percentual de direito de subscrição será de 10%, você precisará ter no mínimo 10 ações para subscrever 1. Se você tiver, por exemplo, 9 ações o seu direito seria de 0,9 e assim não seria possível subscrever, visto que no mercado brasileiro não é possível negociar frações de ações.

 

Detalhes que você precisa saber sobre a subscrição

Fique sempre atento as empresas e fundos imobiliários que você tem em carteira, pois eventualmente eles podem realizar este processo de subscrição afim de melhorar o negócio. Uma dica que dou a você, inscreva-se no site de relações com investidores (RI) de suas empresas e fique por dentro de todos os fatos relevantes destas. Para os fundos imobiliários eu indico o site Clube FII onde você pode se cadastrar e seguir os fundos de seu interesse e assim ficar por dentro de todas as notícias.  Outra dica é se inscrever no site das gestoras/administradoras destes fundos.

 

Prospecto

Documento divulgado ao mercado em forma de fato relevante, que possui todas as informações referentes ao processo de subscrição aberto. Neste documento é apresentado informações como, prazos do processo de subscrição, valor a ser pago por ação, fator de proporção e informações sobre a pretensão da empresa em captar esses valores.

Prazos do processo de subscrição:

– Aviso ao mercado: data onde o prospecto final do processo de subscrição é enviado ao mercado.

– Data COM: data final para a negociação das ações com direito a subscrição.

– Data EX: data posterior a data COM. Dia em que as ações passam a ser negociadas sem o direito a subscrição.

– Período de negociação dos direitos: período onde os direitos poderão ser negociados entre os investidores, onde aqueles que não desejam exercer podem vender seus direitos a outros interessados. Os compradores não precisam estarem posicionados no ativo em questão.

– Período de exercício ao direito de preferência: período onde o investidor irá informar a corretora que deseja exercer os seus direitos de subscrição total ou parcial.

– Data de liquidação: data onde o valor referente ao exercício do direito de subscrição será debitado da conta do investidor, formalizando assim o processo de subscrição.

– Período de subscrição das sobras ou lote adicional: período onde ocorre a oferta de participação pelos interessados a subscrição das sobras ou lotes adicionais de direitos de subscrição.

– Data de liquidação das sobras ou lotes adicionais: período onde o valor referente ao exercício da subscrição de sobras e lotes adicionais serão debitados da conta do investidor, formalizando assim o processo de subscrição.

Apesar de o texto falar em ações, este conteúdo também vale para a subscrição dos fundos imobiliários (FII), com exceção ao motivo da captação. Fundos imobiliários não podem contrair dívidas, e com isso, a única forma deste crescer, é através da captação de novos recursos no mercado pelo meio de subscrição.

 

No geral as subscrições seguem a mesma linha de raciocínio e parâmetros de emissão, tendo em vista que tal processo é regulado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Com tudo o investidor deve se atentar para o prospecto individual de cada emissão/subscrição, pois cada empresa/fundo terá uma estratégia e plano diferente de como aplicar este valor captado e através da análise do prospecto que você investidor irá decidir se esta subscrição vale ou não a pena.

Obs.: Se você acredita na empresa/fundos, acredita no negócio e no potencial dele, é importante que você participe de tal processo, afim de financiar o projeto e continuar com a mesma proporção acionária, uma vez que se você não exercer a subscrição, você será diluído, e passará a ter uma participação menor neste negócio.

 

Autor: Rubens Machado

14 de outubro de 2019

Cujubim – RO

2 Comments

  1. Anônimo disse:

    Muito bom o artigo sobre subscrição. Gostei bastante

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.