Porque a minoria investe? Não queremos evoluir?

Porque só a minoria investe? Não queremos evoluir?

16 de janeiro de 2020

Olá investidores,

Olá a todos. Vamos comentar sobre algo que é bem perceptível quando conversamos com as pessoas que ainda não investem : entender o porquê as pessoas não iniciaram ainda.

Em tempos que a inflação (IPCA), as taxas de juros estão muito baixas para o padrão brasileiro (janeiro de 2020) e dessa forma a poupança está rendendo menos ainda, vem a pergunta: Qual o motivo dessas pessoas manterem seu dinheiro em uma aplicação e que não mantém nem o poder de compra? Duas possíveis respostas são preguiça e/ou medo.

Ok, é natural as pessoas sentirem um certo medo do desconhecido e por isso acabam ficando em sua zona de conforto. Observamos que são dois sentimentos que andam de mãos dadas. A pessoa não melhora a forma de investir por medo e isso leva a manter as coisas do jeito que estão e acabam esquecendo que o mundo é uma eterna luta para justamente não ficarmos parados no “mesmo lugar”.

Não vou ser arrogante em dizer que são os únicos motivos, mas são os mais relevantes. E aqui estamos levando em conta que a pessoa já começou a fazer o dever de casa (lembra do ciclo com seus quatro pilares? Não? Clique aqui). Vamos seguir o seguinte raciocínio: a pessoa tem uma porção de dinheiro guardada ou mensalmente guarda um parcela de sua renda e não sabe o que fazer pois não tem o conhecimento necessário, o que ela faz? Na maioria das vezes, ela mantém esse valor na poupança que é mais cômodo.

O lado positivo é que ela está pelo menos poupando e está na frente da grande maioria. Aqui cabe um elogio já que o primeiro passo foi dado, porém, não pode parar nesses estágio, é necessário evoluir, entender melhor, querer aprender e estar disposto a ser um investidor de fato. Nesse ponto eu gostaria que fazer algumas considerações:

A primeira é que a educação financeira, na maioria das vezes, não é ensinada em casa e nem nas escolas. Consequentemente, você e as pessoas de sua convivência acabam não entendendo ou discutindo sobre o assunto. Isso é ruim pois é um tema de muita relevância para todas as pessoas. Não digo apenas na questão de montar uma carteira previdenciária, mas da necessidade de saber organizar a sua vida financeira, nem que seja o básico. Só este pequeno conhecimento já faria com que boa parte das pessoas conseguissem entender melhor como acontecem seus gastos mensais e seriam pessoas menos endividadas.

Outro ponto relevante é que nossa sociedade fomenta o consumismo desenfreado (que vai na contramão do pensamento poupador), em outras palavras: “Compramos coisas que não precisamos, com dinheiro que não temos, para impressionar pessoas de quem não gostamos.”  [Clube da Luta]. Essa sede, a qual é introduzida em todos nós, faz com que tenhamos a necessidade de sempre comprar bens e, por consequência, não temos dinheiro para coisas na vida que realmente importam como ter experiências. Acabamos em um ciclo vicioso de trabalhar exaustivamente para bancar dívidas/custos desnecessários uma vez que não queremos ser excluídos e, dessa forma, vamos perdendo nossa essência. Também deixamos de enxergar que é o dinheiro que deve trabalhar a nosso favor e não ao contrário. Explicando de outra forma: o dinheiro “compra” a nossa liberdade e nos garante uma vida mais descomplicada.

Terceiro, infelizmente, o brasileiro não tem o hábito de estudar ou ler. Não estou dizendo que ninguém quer estudar e correr atrás mas, no geral, os brasileiros não gostam muito. Alguns acham que é uma perda de tempo já que há outras formas de conseguirem o sucesso sonhado ou simplesmente não é do interesse naquele momento. Diante desse contexto, e para fugir da manada, torna-se essencial criar o hábito da leitura. Aqui entra um alerta, pois me refiro o da leitura de textos que podem agregar algo na sua vida e não futilidades, dessa forma, conteúdos que vão enriquecer a sua cultura.

Juntando todos esses itens nós temos uma população totalmente despreparada para se “rebelar” contra o sistema e construir seu patrimônio ao longo dos anos e, por fim, garantir a liberdade financeira. Após essa reflexão você pode estar ses perguntando: O que posso fazer para não estar nessa manada?

Como resposta, eu gostaria de dizer a você: Não deixe para colocar seu dinheiro para trabalhar amanhã se você pode começar hoje, agora, nesse momento. É necessário dar o primeiro passo para que todo medo ou preguiça seja superada. E não espere incentivos das pessoas, porque na maioria das vezes o primeiro passo é dado por conta, sozinho e com a cabeça cheio de dúvidas.

Entendo que você possa estar perdido nesse mar de informação, assim como comentei no último artigo: imediatismo. Eu também passei por isso, as pessoas que conheço e estão a mais tempo também passaram por esse processo. Assim,  não tenha medo e não tenha preguiça, vá buscar boas fontes de conhecimento. Ele está ai na palma da sua mão, só começar. E se você chegou até aqui nesse artigo, você também está preparado a dar o primeiro passo.

Para você que está ainda em dúvida comece ler alguns livros clássicos dia investidores de longo prazo

Faço um destaque especial para o livro de “Graham” que é considerada a “bíblia” do investidor e “Pai Rico, Pai Pobre” para ajudar a transformar sua mentalidade.

Aqui você já tem um ótimo começo para entender melhor, perder o medo e dar o primeiro passo.

Também há ótimos canais no YouTube com conteúdo de qualidade.

Temos o nosso blog com bastante informação que auxiliará você nessa jornada, assim como o canal 500pratas no youtube, a área de membros (plataforma com material de estudos e aprendizado), o curso 500 pratas light (aprender a teoria para investir sozinho) e o grupo fechado 500 pratas (mentoria em grupo com pessoas de alto nível).

Abaixo deixo os links para acessar os produtos que o Grupo 500 pratas pode oferecer se você quiser evoluir conosco:

Até a próxima

Por Bryan Reis (instagram = @bryan_reis_hold)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.