RESUMO 3T19 EMPRESA – MDIAS

RESUMO 3T19 EMPRESA – MDIAS

10 de dezembro de 2019

Olá pessoal,

Vamos comentar um pouco sobre os resultados da M Dias Branco. (Lembrando que NÃO é recomendação. Aproveitem a leitura.)

Como foi um caso que muitas pessoas comentaram, vamos detalhar um pouco mais e entender o que aconteceu.

Em geral, os resultados vieram piores que o trimestre anterior e ano anterior. Então é necessário entender o motivo dessa piora

Alguns pontos destacados pela administração:

  • Modelo de precificação segmentado por canal, mercado e marcas.
  • Duas diretorias comerciais que atendem as oportunidades de crescimento.
  • Transição de um modelo logístico misto
  • Revisão do quadro de colaboradores

 

Piora quando comparado ao 3t18 e resultado flat quando comparado a 2t19 . Vale ressaltar que o Nordeste é o reduto da M Dias.

 

Piora na margem EBITDA e queda não foi maior devido ao não-recorrente de crédito tributário. (58 milhões). No 2t19 também ocorreram os mesmos não recorrentes, mas com impacto positivo menor no EBITDA.

 

Tem vontade de aprender mais sobre analise de empresas? Clique aqui e adquira o curso 500 PRATAS light.

 

Queda do lucro devido a = depreciação de novas linhas de produção ao longo de 2018 e 2019, pela consolidação das despesas com depreciação e amortização da Piraquê e pelo menor resultado financeiro e operacional.

 

Reparar que historicamente 3º Trimestre é o melhor trimestre, logo, podemos esperar um resultado “pior” no 4T19 tanto para o Lucro Líquido como EBITDA.

Atualmente a MDIAS está com uma menor produção e muita capacidade ociosa. O menor nível da utilização da capacidade de produção no 3T19 e nos 9M19, frente aos mesmos períodos do ano passado, deve-se à retração dos volumes vendidos e às férias coletivas concedidas com o objetivo de readequação dos estoques. Nesse aspecto, se a economia melhorar, ela terá condições de entregar bons resultados.

Houve um aumento no consumo próprio, mostrando a menor dependência da Piraquê em relação a farinha de terceiros. Isso é positivo pois acaba reduzindo custos de produção, pois é mais vantajoso consumir a matéria prima produzida internamente.

Vemos que o volume vendido vem patinando desde o início do ano, o que não é positivo. Houve uma redução do estoque dos principais produtos nos clientes (massa e biscoitos). Isso mostra que a empresa está tentando se adequar a nova realidade dos clientes, o que é positivo visto que o volume vendido está “flat” desde o início do ano e faz com que no curto prazo os clientes voltem a solicitar novos pedidos. Essa redução, de acordo com a MDIAS, foram: os ajustes nas bonificações/descontos comerciais e nos preços. (Nova política da MDIAS)

Aqui temos uma melhor ideia do resultado.  Os dois principais produtos tiveram quedas superiores a 10% quando comparado com o trimestre anterior. Assim como comentamos, sazonalmente o 3 trimestre é o de maior Receita/Volume, logo, podemos esperar uma queda de ambos no 4t19.

Exportação vem ganhando visibilidade, ainda que pequena. Esse é um dos focos da MDIAS para os próximos trimestres de acordo com RI e o investor day. Aqui é uma das oportunidades para a MDIAS conseguir usufruir melhor de sua larga capacidade de produção.

O preço do trigo estava em valor de mercado próximo com o 2t19 e menor no 3t18, assim impactando negativamente quando comparando os anos anteriores. Dessa forma o CPV (custo de produto vendido) é impactado pela alta do dólar. Vale lembrar que seus concorrentes também sofrem essa mesma pressão.

 

Piora do Resultado financeiro (contra 2018) pois houve

i)efeito negativo R$ 9,6 milhões no valor justo dos contratos de swap no período; e

ii) reconhecimento dos juros de arrendamento no montante de R$ 1,8 milhão.

Já no comparativo do 3T19 com o 2T19, a melhora do resultado financeiro foi resultante:

i) da atualização monetária dos processos cíveis e trabalhistas, que impactou negativamente o resultado financeiro no 2T19 (R$ 20,0 milhões), e não impactou o 3T19; e

ii) do impacto positivo das atualizações sobre o crédito de exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins no valor de R$ 30,2 milhões no 3T19 (R$ 13,9 milhões no 2T19).

 

(i)menor resultado nos 9M19, quando comparado aos 9M18; e

(ii) aumento dos incentivos fiscais estaduais, que são excluídos da base de cálculo dos impostos, refletindo assim na redução de IRPJ e CSLL.

Aqui vemos que houve um aumento dos incentivos fiscais pela empresa. Para uma empresa que já tem uma boa quantidade, ter mais incentivos pode ser algo prejudicial no médio e longo prazo.

Gostaria de conversar com pessoas que entendem de investimento e como compreender as perspectivas das empresas? Clique aqui e tenha acesso ao grupo fechado 500Pratas.

 

Em geral, o resultado da MDIAS não veio bom. Entendo que ela não está conseguindo fazer os processos e decisões internas se adequarem a nova realidade. Vide a perda de volume na sua principal região (Nordeste) e também pelo fato da Piraquê ainda utilizar uma boa quantidade de farinha externa.

A empresa comentou no investor day que está atuando em várias frentes para melhorar a empresa como:

  • Utilizar duas frentes (ataque e defesa) para adequar a forma de entregar valor ao cliente dependendo da região do país (reestrutura comercial e segmentação de canais);
  • Mudança da forma logística utilizando parceiros e melhora no clico de pedidos;
  • Expansão da distribuição centro-oeste, sudeste e sul,
  • Tornar a Piraquê uma marca nacional
  • Atuar no mercado exterior.

A empresa está passando por grandes mudanças mais o processo de sinergia com a Piraquê. Assim, ela tem um grande desafio o qual ainda ela ainda encontra dificuldades para passar.

Lembrando que não é recomendação de compra, venda ou manutenção.

 

Por Bryan Reis (Instagram – @bryan_reis_hold)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.